quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Viver ÁTOA!

Não é segredo para ninguém o carinho enorme que tenho por eles. Por cada um deles em separado, e por aquilo que eles representam enquanto banda. 
Os ÁTOA cresceram imenso desde a primeira vez que os vi ao vivo. Cada dia que passa tenho mais orgulho no trabalho que desenvolveram e no percurso que estão a percorrer. 
Se há alguma coisa que me faz ficar feliz espontaneamente são os concertos deles. Eles são das melhores pessoas que eu conheço, por serem tão genuínos, tão dedicados, tão simpáticos e acolhedores. Qualquer pessoa é bem recebida por eles. Já vos falei várias vezes do orgulho que tenho neles e já vos tentei transmitir o quão bons eles são naquilo que fazem. 

Tenho a sorte de poder assistir a alguns concertos deles e fico fascinada com cada um deles. Não há nada que me deixe mais feliz. Os dois minutos que eles estão com cada fã ao fim do concerto chegam para ficarmos encantados por eles.
No entanto, há um concerto que eu não quero (nem vou) perder. E é sobre este concerto que vos venho falar hoje.

No dia 6 e 7 de Outubro os ÁTOA vão apresentar o novo álbum e vai ser um daqueles momentos que eu não quero perder por nada deste mundo. Eu sei que vai ser um dia muito importante na vida deles e principalmente na carreira de cada um. Por isso, é um concerto obrigatório para cada fã. Eu vou porque sei que para alguém conseguir viver da música é preciso gastarmos dinheiro bem gasto. E eu apoio a música portuguesa e fico mesmo feliz por finalmente estarmos a evoluir. Por isso, dia 6 de Outubro nós, fãs dos ÁTOA, queremos encher o Hard Club. No dia 7 será a vez de Lisboa fazer isso no Estúdio Time Out. 
Podem comprar o bilhete aqui ou em qualquer concerto deles. Acreditem que são os 10€ mais bem gastos da vossa vida. 
Apoiem a música que se faz em Portugal. Vamos partir aquilo tudo! Conto convosco! 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

3 anos

Nem acredito que o blog faz 3 anos! 


Podia dizer-vos imensa coisa, poderia até fazer um enorme texto com tudo aquilo que tenho para vos agradecer e para agradecer à vida por me dar a oportunidade de conhecer pessoas tão boas através do meu blog, no entanto queria fazer algo diferente. Mesmo assim não perco esta oportunidade de vos agradecer. 
Obrigada por me lerem todos os dias, por aguentarem as minhas depressões, as minhas ausências, as minhas dúvidas existenciais. Obrigada essencialmente por continuarem desse lado.

Obrigada por me lerem só para saber como eu estou. "é a única maneira que eu tenho de saber como andas, Cat", "eu li o texto, precisas de alguma coisa?", "continuo preocupado contigo, eu leio o teu blog sabes?". Por todas estas vezes, e por todas as outras que leram o meu blog e mandaram mensagem a dizer que estavam comigo, mesmo que o meu mundo desabasse. 
Obrigada por me fazerem sentir em casa quando escrevo. 

video

Desta vez não há velas nem bolo de aniversário mas acreditem que há uma felicidade enorme por ter a sorte de poder continuar a escrever. 
Os que mais me orgulho de escrever: 17 de MaioATOA
Os mais lidos de sempre: Primark 424Carta para o meu antigo eu


domingo, 6 de agosto de 2017

see you later

thank you for all.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

vamos falar de amor?

é inevitável. existem crises que se ultrapassam ao longo de uma relação, e há outras que não se consegue ultrapassar.
ele não se vai lembrar de tudo o que tu te lembras só porque é importante para ti, não vai saber de cor o nome das pessoas que são importantes para ti e muitas vezes vai implicar com muitas delas só porque sim.
ele não vai conseguir dizer-te as coisas quando tu queres que ele te diga, ele não vai ser sempre aquilo que tu queres que ele seja. e por muitas vezes que tu digas, ele vai continuar sem perceber as tuas indiretas porque ele é ele, e tu já devias saber que ele não as percebe. mas não é por isso que ele gosta menos de ti. não é por isso que ele não continua a querer estar contigo todos os dias, a todo o momento. e mesmo que ele não demonstre ele gosta de ti na mesma. eu sei que tu gostavas que ele te percebesse, que ele falasse contigo e te dissesse as coisas que não gosta mas por ele está sempre 'tudo bem'.

como te disse no inicio, há crises durante uma relação que as vossas forças estão em sintonia e conseguem ser ultrapassadas. há crises causadas pela rotina, pela ausência, pela presença demasiada, pelo querer e não querer, por tudo e mais alguma coisa. há outras que vocês simplesmente não estão unidos o suficiente para conseguirem ultrapassar. a culpa não é tua, nem dele. há prioridades, e querendo ou não as vossas podem não ser as mesmas. não arranjes desculpas se não resultar, só não resulta se não quiserem.

faças as escolhas que fizeres, há sempre alguma coisa que vais ganhar e há sempre coisas que vais perder. cabe-te a ti perceber o que é mais importante. e quando perceberes o que é mais importante não desistas só porque não é o caminho mais fácil.
se neste momento o vosso lugar não é juntos não culpes o mundo por não resultar, muito menos culpes o destino por vos ter separado, culpa-te a ti e a ele por não se esforçarem o suficiente para conseguir dar a volta por cima. nunca te esqueças que apesar de tudo, há sempre solução para os teus problemas.

Julho' 17

Depois de vos trazer um pequeno vídeo sobre a primeira metade do meu ano este mês trago-vos de novo a retrospectiva. 
Julho foi um mês muito diferente daquilo que estava habituada. Foi um mês muito caseiro, com muito tempo livre. 

No entanto consegui fazer algumas coisas que adorei, consegui ir passear um pouco e apanhar sol (e trabalhar para o bronze).
Em Julho voltei ao Porto, desta vez com duas das minhas melhores amigas. Tiramos o dia para passear imenso, e ser turistas. Visitamos os sítios mais importantes da cidade do Porto e chegamos a casa muito cansadas - mas felizes. 
Tive a oportunidade de ir ao BElive na Trofa pela primeira vez, no dia em que o David Carreira foi lá atuar - e arrasar!! É sempre bom voltar a ver artistas que adoramos ao vivo. 
Despedi-me do meu primeiro ano, como caloira, na festa de despedida de uma das melhores pessoas que conheci este ano e percebi que me sinto mesmo bem com aquelas pessoas. 
Festejei o aniversário de um deles, e eles fizeram com que eu me sentisse em casa no meio deles. 
Fui à praia várias vezes, e consegui matar saudades do mar que me deixa tão feliz. Festejei o S.Pedro, tomei cafés com quem já não estava há muito tempo e arranjei tempo para os amigos (e sabe tão bem).

Julho não foi um mês perfeito para mim, como nada é. Tive muitas vezes vontade de dormir durante 24h seguidas, de sair de Braga e não voltar em breve. Senti-me muitas vezes perdida e apesar de querer contrariar a ideia que tenho de aprender a tomar decisões, é algo que tenho de me habituar. 
Nem sempre corre tudo bem, nem sempre estamos de acordo com o mundo e nem sempre aceitamos as decisões que as nossas pessoas tomam, mas faz parte ter de superar.